Tribunal de Justiça da União Europeia aborda a desreferência do motor de busca no acórdão Landmark

The Court of Justice of the European Union concludes that, currently, there is no obligation under EU law, for a search engine operator who grants a request for de-referencing made by a data subject, as the case may be, following an injunction from a supervisory or judicial authority of a Member State, to carry out such a de-referencing on all the versions of its search engine.

en flag
nl flag
fr flag
de flag
pt flag
es flag

Comunicado de imprensa do Tribunal de Justiça da União Europeia

Acórdão no processo C-507/17, Google LLC, sucessor em direito do Google Inc. contra Comissão nationale de l'informatique et des libertés (CNIL)

O operador de um motor de busca não é obrigado a realizar uma desreferência em todas as versões do seu motor de busca. No entanto, é necessário proceder a essa desreferência nas versões correspondentes a todos os Estados-Membros e adoptar medidas que desencorajem os utilizadores da Internet de terem acesso, a partir de um dos Estados-Membros, às ligações em questão que figuram nas versões desse motor de busca fora da UE.

Por decisão de 10 de março de 2016, o presidente da Comissão nationale de l'informatique et des libertés (Autoridade Francesa para a Proteção de Dados, França) (a seguir designada “CNILL”) impôs uma sanção de 100 000 euros à Google Inc. devido à recusa dessa empresa, ao conceder um pedido de desreferência, de o aplicar a todos os seus extensões de nome de domínio do mecanismo de pesquisa.

A Google Inc., tendo sido notificada formal pela CNIL em 21 de maio de 2015 para aplicar a retirada de referência a todas as extensões, recusou-se a fazê-lo e limitou-se a remover os links em questão apenas dos resultados exibidos após pesquisas realizadas a partir dos nomes de domínio correspondentes às versões do seu motor de busca nos Estados-Membros. A Google Inc. solicitou ao Conseil d'État (Conselho de Estado, França) que anulasse a sentença de 10 de março de 2016. Considera que o direito à desreferência não exige necessariamente que as ligações em causa sejam removidas, sem limitação geográfica, dos nomes de domínio de todos os seus motores de busca.

O Conseil d'État submeteu várias questões prejudiciais ao Tribunal de Justiça com vista a verificar se as regras do direito da UE relativas à protecção de dados pessoais (1) devem ser interpretadas no sentido de que, quando um operador de motores de busca concede um pedido de desreferência, que O operador é obrigado a efectuar essa desreferência em todas as versões do seu motor de busca ou se, pelo contrário, só é obrigado a fazê-lo nas versões desse motor de busca correspondentes a todos os Estados-Membros ou apenas na versão correspondente ao Estado-Membro de residência da pessoa beneficiando da desreferência.

No acórdão hoje proferido, o Tribunal de Justiça começa por recordar que já considerou (2) que o operador de um motor de busca é obrigado a retirar da lista de resultados apresentada na sequência de uma pesquisa efectuada com base nas ligações de nome de uma pessoa para páginas web, publicadas por terceiros e contendo informações relativas a essa pessoa, também no caso em que esse nome ou informação não sejam apagados previamente ou simultaneamente dessas páginas web e mesmo, se for caso disso, quando a sua publicação nessas páginas for legal.

O Tribunal de Justiça recorda, em seguida, que o estabelecimento da Google Inc. no território francês exerce atividades, incluindo atividades comerciais e publicitárias, que estão indissociavelmente ligadas ao tratamento de dados pessoais realizado para fins de exploração do motor de busca em causa e, em segundo lugar, que , tendo em conta, nomeadamente, a existência de gateways entre as suas diversas versões nacionais, deve ser considerado como realizando um único ato de tratamento de dados no contexto das atividades do estabelecimento francês da Google Inc.. Esta situação é, por conseguinte, abrangida pelo âmbito de aplicação da legislação da UE relativa à protecção de dados pessoais.

O Tribunal sublinha que, num mundo globalizado, o acesso dos utilizadores da Internet — incluindo os fora da UE — à referência de uma ligação relativa a informações relativas a uma pessoa cujo centro de interesses se situe na UE é susceptível de ter efeitos imediatos e substanciais sobre essa pessoa na UE , de modo a que uma desreferência global satisfaça integralmente o objectivo de protecção referido no direito da UE. No entanto, afirma que numerosos Estados terceiros não reconhecem o direito de desfazer a referência ou têm uma abordagem diferente a esse direito. O Tribunal de Justiça acrescenta que o direito à protecção dos dados pessoais não é um direito absoluto, mas deve ser considerado em relação à sua função na sociedade e ser equilibrado com outros direitos fundamentais, de acordo com o princípio da proporcionalidade. Além disso, o equilíbrio entre o direito à privacidade e a protecção dos dados pessoais, por um lado, e a liberdade de informação dos utilizadores da Internet, por outro, é provável que varie significativamente em todo o mundo.

No entanto, não resulta dos textos jurídicos que o legislador da UE tenha alcançado tal equilíbrio no que diz respeito ao âmbito de uma desreferência fora da UE, nem que tenha optado por conferir um âmbito de aplicação aos direitos das pessoas singulares que ultrapassariam o território dos Estados-Membros. Também não resulta desses textos que pretendia impor a um operador, como a Google, uma obrigação de desreferência que também diz respeito às versões nacionais do seu motor de busca que não correspondem aos Estados-Membros. Além disso, o direito da UE não prevê instrumentos e mecanismos de cooperação no que diz respeito ao âmbito de uma desreferência fora da UE.

Por conseguinte, o Tribunal conclui que, actualmente, não existe qualquer obrigação, nos termos do direito da UE, de um operador de motor de busca que conceda um pedido de desreferência apresentado por uma pessoa em causa, consoante o caso, na sequência de uma injunção de uma autoridade de supervisão ou judicial de um Estado-Membro, de proceder a essa anulação em relação à todas as versões do seu motor de busca.

No entanto, a legislação da UE exige que um operador de motores de busca realize essa desreferência nas versões do seu motor de busca correspondentes a todos os Estados-Membros e que tome medidas suficientemente eficazes para garantir a proteção efetiva dos direitos fundamentais da pessoa em causa. Assim, essa desreferência deve, se necessário, ser acompanhada de medidas que impeçam ou, pelo menos, desencorajem seriamente um utilizador da Internet que efectue uma pesquisa a partir de um dos Estados-Membros com base no nome de um titular dos dados de obter acesso, através da lista de resultados apresentada na sequência da que procurem, através de uma versão desse motor de busca fora da UE, as ligações que são objecto do pedido de desreferência. Compete ao órgão jurisdicional nacional verificar se as medidas aplicadas pela Google Inc. satisfazem esses requisitos.

Por último, o Tribunal de Justiça salienta que, embora o direito da UE não exija actualmente uma desreferência em todas as versões do motor de busca, também não proíbe essa prática. Por conseguinte, as autoridades dos Estados-Membros continuam a ser competentes para ponderar, à luz das normas nacionais de protecção dos direitos fundamentais, o direito à privacidade de um titular de dados e a protecção dos dados pessoais que lhe digam respeito, por um lado, e o direito à liberdade de informação, sobre o outros, e, após ponderação desses direitos uns contra os outros, ordenar, se for caso disso, ao operador desse motor de busca que proceda a uma desreferência relativamente a todas as versões desse motor de busca.

NOTA: O pedido de decisão prejudicial permite aos órgãos jurisdicionais dos Estados-Membros, nos litígios que lhes tenham sido submetidos, submeter ao Tribunal de Justiça questões relativas à interpretação do direito da União Europeia ou à validade de um acto da União Europeia. O Tribunal de Justiça não decide o litígio propriamente dito. Competirá ao órgão jurisdicional nacional dispor do processo em conformidade com a decisão do Tribunal de Justiça, que é igualmente vinculativa para outros órgãos jurisdicionais nacionais perante os quais é suscitada uma questão semelhante. Documento não oficial para utilização dos meios de comunicação social, não vinculativo para o Tribunal de Justiça.

(1) Diretiva 95/46/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 24 de outubro de 1995, relativa à proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação desses dados (JO L 281, p. 31) e Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 abril de 2016 sobre a proteção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação desses dados e que revoga a Diretiva 95/46 (Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados) (JO L 119, p. 1, e Retificação JO 2018 L 127, p. 2).

(2) Processo: C-131/12 Google Spain e Google ver Comunicado de Imprensa 70/14. www.curia.europa.eu

Cópia completa em PDF do Tribunal de Justiça da União Europeia Comunicado de Imprensa nº 112/19, de 24 de setembro de 2019

Tribunal de Justiça da União Europeia Comunicado de Imprensa n.o 112:19 — 092419

Leitura adicional

Jurisprudência InfoCuria - Processo 507/17 - Acórdão - 24 de setembro de 2019

InfoCuria jurisprudência - Processo 507/17 - Parecer - 10 de janeiro de 2019

InfoCuria jurisprudência - Processo 507/17 - Pedido - 29 de setembro de 2019

Fonte: ComplexDiscovery